quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Denise Duran - Agradeço a Deus / A noite chorou também


Denise Duran. Soa familiar, não? Irley da Silva Rocha, seu nome real, é irmã mais nova de Adiléia da Silva Rocha. A nossa Dolores Duran.

Toda a sua família demonstrava inclinação para o canto. E com Lela, seu apelido desde pequena, não poderia ser diferente, embora não tivesse interesse em seguir carreira como cantora. Ela e Dolores costumavam ir ao cinema juntas e ensaiar peças de teatro para as crianças do bairro. Com a morte da irmã mais velha, em 24 de outubro de 1959, a cantora Marisa (Gata Mansa), que era muito amiga de Dolores, insistia quase que diariamente para que Lela começasse a cantar. A insistência foi tanta, que ela acabou indo, com Marisa, fazer um teste na gravadora Copacabana. Uma vez aprovada, adotou o nome artístico ‘Denise Duran’ e gravou o LP “Canções e Saudades de Dolores”, com 4 músicas gravadas por ela e 8 por Marisa. Seus padrinhos artísticos foram Emilinha Borba e Paulo Gracindo. Cantou em vários programas da TV Rio, TV Excelsior e foi cantora fixa da lendária boite “Baccarat”. Em 1962, Djalma Ferreira, proprietário da casa “Drink”, convida Denise para inaugurar a boite “Djalma’s”, que seria aberta em São Paulo. Assim, ela fixa residência na cidade e, neste mesmo ano, casa-se com o cantor Dave Gordon. Após uma temporada de 3 meses no Chile, nasce, em 1963, sua primeira filha, hoje a cantora Izzy Gordon. Em 1965, seu outro filho, o também cantor Tony Gordon. Aos poucos, foi deixando a carreira. Afinal, a pequena Lela nunca teve vontade de cantar. Em sua curta carreira, gravou um total de 6 músicas, duas das quais apresentamos agora.

Este 78 RPM, gravado em 1961, traz dois sambas muito bonitos e que surpreendem pela modernidade do arranjo e do acompanhamento. O arranjo ficou por conta do pianista Chaim Lewak e os assobios e sopros, de Altamiro Carrilho. Atualmente, Denise faz parte do grupo teatral “Mocinhas de Pinheiros” e canta esporadicamente.


Bonus Track! Levamos a vocês um registro recente, feito em 29/04/08, num encontro realizado no Pateo do Colégio, situado no centro de São Paulo. Nele, a nossa cantora canta “Quem Foi”, de Dolores Duran e Ribamar, música que registrou em 1960, no LP que gravou ao lado de Marisa. O simples violão que a acompanha foi executado por mim.

Agora fiquem com a doce e melodiosa voz de Denise Duran, Irley ou simplesmente, Lela.

Obs.: 1. Agradecimentos mil a Thais Matarazzo, pela foto e dados biográficos.

2. Na gravação recente, reparem o sino que toca por duas vezes, exatamente no mesmo tom!













6 comentários:

Charles Bonares disse...

Gabriel, que jóia rara!
Obrigado a você e à Denise, que ganhou subitamente um novo fã!

Prof.Ricardo disse...

Seja como Denise ou Lela, não importa...um talento como cantora, um talento como ser humano!
Que sensacional ser humano!!!!

Aos "3 caballeros" parabéns pela iniciativa!!!!

Jurandir disse...

Meu pai foi o autor da música "a noite chorou também", eu não conhecia. Inclusive o véinho tá vivinho da silva, lá em Salvador. Para quem se interessa por baú de música, ele é o próprio. meu nome é Jurandir Chamusca Filho. didachamusca@yahoo.com.br

Renata disse...

olá Gabriel,
Meu nome é Renata Barreto, sou historiadora e estou fazendo uma pesquisa sobre a Dolores Duran.
Estou pelejando, tentando achar algum registro em vídeo de uma performance da Dolores.
Me perguntei se vc poderia saber de algum lugar onde possa encontrar,
desde já agradeço,
Abç,
Renata Barreto - videota@gmail.com

Meckenna disse...

É com grande emoção que conheci agora a voz e o talento dessa preciosa Denise Duran.
Lembro-me, com muita saudade de Dolores. Apesar de eu nem ser nascida ainda quando Dolores cantava e nem quando faleceu, mas pude graças a Deus ouvir suas gravações e deslumbrar a maestria e a suave e doce voz de Dolores. Denise é a continuidade desse brilho imortal, porque imortal é essa luz chamada Dolores.

Carlus Maximus disse...

oi Gabriel, recortei e colei sua postagem sobre a Denise Duran... espero q v não se zangue...