segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Conjunto Farroupilha - Mr. Lee / Clases de Cha-Cha-Cha


Olá a todos! Finalmente, cá estou regressando de minha viagem ao Rio de Janeiro e colocando a vida em ordem. Para me redimir com os nossos leitores, farei hoje um post diferente sob vários aspectos. Pela primeira vez, focalizaremos um conjunto, vocal neste caso; que se desenvolveu fora do eixo Rio-São Paulo, cantando dois gêneros jovens e dançantes. Vamos lá!

Nos anos 40 e 50, a Rádio Farroupilha era a maior do estado do Rio Grande do Sul, pertencendo a um grande conglomerado e com grandes anunciantes, como a Pepsi Cola. Esta emissora inspirava-se nas grandes rádios cariocas, com um vasto elenco fixo e contratado, trabalhando em grandes musicais. Para se ter uma idéia, eram de uma audácia que lhes permitiam recriar com seus próprios artistas alguns dos mais luxuosos programas de estúdio da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, como "A Canção da Lembrança" e "Um Milhão de Melodias". Eis que em 1948, surge um conjunto sem nome definido que entoava canções típicas ao seu microfone. Por conta do sucesso, Danilo, Tasso, Iná, Estrela d'Alva e Alpheu (mais tarde substiduído por Sidney Moraes, primeiramente apenas nas viagens pra fora do Sul, depois, permanentemente) foram batizados com o nome da rádio que os contratou. Sob a batuta de Tasso, as tradicionais canções gaúchas ganhavam nova roupagem, com arranjos vocais de impressionante beleza. Ele, muito jovem ainda, por sua competência como arranjador, passou também a maestro da rádio, regendo a orquestra da Rádio Farroupilha ao lado do veterano Maestro Salvador Campanela. Os chamados para apresentações e gravações vinham de toda parte e as fronteiras de seus estado já não comportavam a revolução que estavam fazendo na seara dos conjuntos vocais.

Difícil é desfilar de maneira sucinta todos os louros que o conjunto colheu pelos anos. Ganharam todos os troféus possíveis, tanto de rádio como de TV, tiveram programas exclusivos Viajaram o mundo todos (fizeram parte, inclusive, da lendária excursão que foi à União Soviética em 1958, ao lado de Dolores Duran, Jorge Goulart, Nora Ney e Maria Helena Raposo). Cantaram todos os gêneros e ritmos, mas nunca abandonaram as músicas da terra natal. Não tinha língua, dissonância ou canção em tom menor que desafiasse nosso grupo. Nosso amigo blogger pode ter a plena certeza que não existiu NADA melhor em matéria de conjunto vocal no Brasil!

As duas gravações que levamos até vocês datam de 1956 e foram realizadas em Porto Rico, conforme consta no selo. A primeira é um calypso-fox, quase um rock, uma delícia, onde fica bem evidente a beleza da voz da solista Iná. Gostaria aqui de fazer um pequena observação sobre o calypso. O tal calypso já foi apanhado na cama de diversos outros ritmo, causando casamentos interessantes, como calypso-rock, calypso-rumba, calypso-mambo, e calypso-chá (!!!). Geralmente, cotumava designar um rock mais lento ou menos agitado que o rock'n roll. A segunda gravação, é um belo chá-chá-chá, como o próprio título da música não deixa negar. Provavelmente, o acompanhamento foi feito por músicos do próprio país, o que confere aquele balanço que só quem é originário do país sabe fazer. Bem, vamos deixar de conversa e deixar vocês com os vocais e efeitos maravilhosos do Conjunto Farroupilha! Só uma coisa: é só ouvir e tirar seu parceiro pra dançar, porque ambas as músicas são uma delícia, com grande potencial viciante!

P.S.: As fotos que postamos não tem muita ligação com as músicas apresentadas neste disco, certo? Portanto, disponibilizamos uma faixa, de 1960 dessa vez, onde eles interpretam a música "Tatu", uma dança típica gaúcha.



4 comentários:

anna carolina disse...

Gostei muito de ver o Conjunto Farroupilha no Chiadofone. As fotos são ótimas e as músicas também. Ao excelente texto cabem umas correçõezinhas: o Sidney (Sidney Morais) não fez parte do grupo desde o início. Ele entrou na década de 60, para substituir o Alpheu (este sim, fundador do conjunto) que já estava morando no Rio há algum tempo e trabalhava na parte técnica da TV Rio, enquanto os outros quatro (os dois casais, Danilo e Estrela e Tasso e Iná) moravam em São Paulo. Como a distância dificultava um pouco os ensaios, a preparação dos shows, o Sidney foi substituir o Alpheu. Primeiramente só em São Paulo e nas viagens. Depois assumiu inteiramente o lugar do Alpheu. Ambos tocavam um belo violão.
Uma curiosidade que nem todos sabem: eles eram todos parentes: o Alpheu era primo da Estrela que era casada com o Danilo que era irmão da Iná que era casada com o Tasso.
E a solista do grupo sempre foi a Iná, que até já cantava sozinha, antes de fundarem o Conjunto Farroupilha.
Em todas as fotos publicadas no blog quem aparece é o Alpheu.
Para ser bem precisa, a primeira formação deles, ainda em Porto Alegre, eram quatro rapazes e a Iná. Eu não me lembro o nome do rapaz que foi substituído pela Estrela quando eles saíram de Porto Alegre, mas a foto dessa primeira formação está na contracapa do lp Gaúcho, que deve ter sido o primeiro registro do conjunto em lp. Era um 10 polegadas que pode-se ouvir no blog Loronix, que tem, inclusive, outros lps deles para download.
Anos depois o Sidney também saiu e foi substituído por uma cantora, se não me engano chamada Lurdinha, mas daí para a frente eu já não sei precisar os detalhes da vida profissional deles.
Essa confusão entre Sidney e Alpheu é muito freqüente, creio que por conta do verbete sobre eles no Dicionário Cravo Albim, onde o Alpheu não é citado e o Sidney aparece como integrante da primeira formação do conjunto.

Charles Bonares disse...

Olá, Anna,

Ficamos muito agradecidos pelo comentário e pela correção. Pedirei ao Gabriel para fazer as correções do que for necessário. Obrigado pela visita e um abraço!

Emilio Pacheco disse...

Sensacional! Até parece que o Conjunto Farroupilha estava adivinhando que, em 1975, surgiria em Porto Alegre um DJ que iria revolucionar a música popular gaúcha pela divulgação de gravações próprias que fazia na saudosa Continental AM. Ele era conhecido como "Mr. Lee". Recentemente Hermes Aquino compôs uma música em homenagem àqueles tempos, mas pelo visto o Conjunto Farroupilha tinha se antecipado, ha ha ha... Sensacional seu blog, parabéns!

MP disse...

Meu Deus!!!! Esse foi o primeiro disco que eu pude chamar de meu! Algum adulto lá em casa comprou quando eu tinha uns 5 ou 6 anos. Roubei e o proprietário não registrou queixa. Eu ouvia numa vitrola portátil, dentro do guarda-roupa. Nunca mais ouvi isso. Até hoje, pelo menos. Obrigado!

MP