quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Rádio Nacional - A canção da lembrança (1954)

Programa de variedades de César de Alencar, com Emilinha Borba, Marlene, Carmélia Alves, Linda Baptista e Afrânio Rodrigues.

Quando eu nasci, já havia rádios FM especializadas em música estrangeira ou nacional, divididas em gêneros musicais bem definidos e tipo de público-alvo, com uma programação quase exclusivamente musical e, por isso mesmo, homogênea. Programas de calouros, festivais de música e novelas, conheci-os pela televisão (e, hoje, admito, não assisto a nenhum). O rádio só ocupou meu centro de atenções no final dos anos 90 (ou seja, quando eu era adolescente), porque era o único meio de comunicação graças ao qual eu tinha acesso a ópera com certa regularidade. Mas esta é uma outra história.

O tema deste post é um programa da Rádio Nacional, aqui postado inteirinho para você, levado ao ar em novembro de 1954.

No excelente manual de Lia Calabre, “A Era do Rádio” (Jorge Zahar Editor, 2002), a autora nos explica o papel do rádio na sociedade brasileira dos anos 1930-1950 a partir de uma pesquisa cuidadosa de fontes. Ressalto aqui algumas informações da autora sobre a Rádio Nacional.

Image Hosted by ImageShack.us

Livro de Lia Calabre

Mesmo tendo se desenvolvido em todo o território nacional, durante os anos 1930-1950 as emissoras paulistas e cariocas dominaram a difusão de ondas radiofônicas. O modelo era a Rádio Nacional, sucedida em audiência pela Rádio Mayrink Veiga, pela Tupi e pela Tamoio. Decerto havia outras, porque o IBGE conta apenas 2 criações de emissoras de rádio em 1923, mas 15 em 1934 e 10 em 1940, mesmo ano em que o Censo Demográfico contou 522.143 domicílios com aparelho de rádio no Brasil, num total de 9.098.791 domicílios visitados.

A Rádio Nacional, pertencente ao mesmo grupo jornalístico que editava o jornal A Noite e as revistas Noite Ilustrada e Vamos Ler, fez sua primeira transmissão oficial em 12/09/1936. Utilizava os transmissores da extinta Rádio Philips e contava no casting artistas do porte de Aracy de Almeida, Marília Baptista e Orlando Silva. Dentre as suas Orquestras, destacava-se a de Radamés Gnatali e, nos anos 40, a de Léo Perachi (que regeu as canções deste post). Entre os seus locutores, ou speakers, Celso Guimarães, Ismênia dos Santos e Oduvaldo Cozzi.

Sua programação contava quatro núcleos: música, dramaturgia, jornalismo e variedades. É difícil dizer qual dos núcleos atingiu maior sucesso. As variedades e a música, por um lado, destacava grandes atrações como PRK-30 (paródia de uma emissora de rádio cujos personagens eram interpretados por Lauro Borges e Castro Barbosa), o Balança mas não cai, Levertimentos, Vai da valsa e A cidade, além dos inesquecíveis programas de calouros, que lançaram nomes como Emilinha Borba, e os de auditório, como os de César de Alencar e de Paulo Gracindo, responsáveis pela corte de Reis da Voz e de Rainhas do Rádio (seria caso aqui de nomearmos artistas do porte de Emilinha, Marlene, Ângela Maria, Dalva de Oliveira, Cauby Peixoto). De outro lado, o modelo jornalístico norte-americano, que formatou o Repórter Esso (preparado a partir da United Press International), gerou nosso hábito de necessitarmos estar sempre informados, e da imprensa como testemunha ocular da História. E ainda as novelas, que tiveram papel essencial nas rádios brasileiras, a iniciar por Em busca da Felicidade (a primeira rádionovela brasileira, estreada em 05/06/1941). Curioso, aliás, era a radiodifusão de novelas. No início, eram gravadas em disco de acetato, e depois em discos de vidro (como será um desses?) para serem “exportadas” para outras rádios. Só em meados dos anos 40 é que os mesmos textos começaram a ser difundidos por emissoras diferentes.

Image Hosted by ImageShack.us
Sala de ensaio do radioteatro da Rádio Nacional: Celso Guimarães (em separado), Amélia Alves, Paulo Ferreira, Amélia Ferreira, Tanio Luna, Neusa Tavares, Dinarte Armando, Ítala Ferreira, Osvaldo Elias, Zezé Macedo, Renato Murce e Alda Verona.


Repertório deste programa:
OVER THE RAINBOW (Sobre o arco-iris) (As Moreninhas: Emilinha Borba e Bidu Reis) - GALANTERIA (Jorge Fernandes) - LAMBETH WALK (Dolores Duran) - SÓ RESTA UMA LÁGRIMA - (Alcides Gerardi) - LA PALOMA (Lenita Bruno) - A pausa que refresca: Francisco Carlos: OLHO DE GATO - ANJO DA NOITE.

Um comentário:

Pessoa36 disse...

Comovida,agradeço pelo belo resgate