sábado, 7 de março de 2009

Rio nights

A partitura de "Rio nights", com cactos e trajes típicos mexicanos. Vem de longe isso de que os americanos pensam que a América Latina é toda igual...

Consegui há pouco tempo, num site de torrents, baixar cerca de duzentas e cinquenta gravações originalmente em cilindro. Todas as gravações são americanas, e o repertório, com algumas exceções, é popular.

Decidi fazer este post com uma gravação que me chama a atenção. É uma canção chamada "Rio nights", de dois compositores americanos, Elmer Vincent e Fisher Thompson. A gravação, de Betsy Lane Shepherd e Charles Hart, data de 1921, um ano depois da composição. Eis a letra:

When night has fallen down in dear old Rio,
Down in dreamy old Brazil;
The stars begin to shine, and one that I call mine,
Just waits for me,
I know she loves me still.
The fleecy clouds like mantles hide the hilltops,
There beside the southern sea;
At this bewitching hour, beneath an old rose bower,
Somebody there is lonesome just for me.
Rio nights are full of silent splendor,
When the tropic moon is in the sky,
I keep growing fonder,
Every time I wander,
With a maid who is so sweet and shy,
Romantic Rio weaves a spell around you;
Golden hours we spent so bright and gay,
You just want to spoon,
Parting comes too soon;
When you linger down that Rio way.
When night has fallen down in dear old Rio,
Down in dreamy old Brazil;
The one I call my own,
Is now no more alone,
I sit beside her there when all is still.
The fleecy clouds like mantles hide the moonlight
Out beyond the harbor lights;
But at this wooing hour, we sit beneath our bower,
United once again on Rio nights.

A canção me chamou a atenção porque é um elogio à então capital do Brasil muito tempo antes de nossas paisagens e de nossa cultura despertar a atenção internacional. A única referência musical sobre o Brasil que eu conhecia até esta gravação era o papel do "Brasileiro", na opereta "La vie parisienne", de Offenbach. E lá não havia nenhuma razão para o Brasil ser elogiado...

Provavelmente, a canção seja fruto de alguma viagem aventureira de um dos compositores. Pena é saber que, quase cem anos depois, não há nenhuma razão para amarmos as noites de luar cariocas.

4 comentários:

fabiopires disse...

Tremenda 'bola fora' essa dos ianques.Não era para menos.Nem posso dizer que isso esteja mudando mesmo mais de 80 anos depois dessa capa.Bem, o que importa é que temos música de valor e sempre teremos.Boa matéria.Abraços.

(www.amusicalidade.blogspot.com)

Charles Bonares disse...

Talvez não soubessem que o Corcovado é bem mais bonito :-))

Alexandre disse...

parabéns pelo fantástico blog!
esse torrent q vc baixou foi da série "popular and rare"?
baixei tudo dessa série de torrents pelo isohunt! se não for de lá, vale a pena vc dar uma olhada.
abraço

Charles Bonares disse...

Isohunt, mesmo.