sábado, 20 de junho de 2009

Ao lied brasileiro

O Chiadofone apresenta-lhes hoje uma série de gravações notáveis pelo gênero, pelos intérpretes e pelos compositores.
Trata-se daquilo que convencionei chamar lied brasileiro, ou canção brasileira, entendida como canção de tema popular, composta e/ou arranjada por compositor erudito e interpretada por cantores de formação lírica.

Image Hosted by ImageShack.us

Edgard Arantes. Acervo e edição Djalma M.C.
Image Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.us
Leontina Kneese e Oscar Gonçalves in Franceschi, 2001.

É um tipo de repertório próximo do lied europeu, muito apreciado no século XIX, e que teve em Schubert um de seus maiores expoentes.
As peças aqui elencadas foram compostas por nomes como Mário de Andrade, Francisco Braga, Francisco Mignone e Alberto Nepomuceno, e interpretadas por cantores conhecidos no meio erudito nacional.


De onde saiu a idéia de fazer um post sobre este gênero? Uma vez, eu estava na casa do Djalma para ouvir seus discos recém-chegados a São Paulo, quando ele me propôs ouvir alguns da série 10.000 da Odeon. Entre estes, estava o n.º 10.423, de Heloysa Bloem Mastrangioli, aqui postado, que me chamou a atenção pela qualidade e pela raridade. Seguimos pesquisando na coleção dele e na Internet e encontramos os outros discos aqui presentes.
O mais curioso foi a descoberta de publicações dos primórdios do rádio brasileiro, graças ao qual alguns dos intérpretes deste post foram projetados. Por causa das publicações da revista
Electron (edições de 1924) descobrimos a grade horária da rádio Mayrink Veiga e até mesmo a programação da Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, a primeira estação de rádio do nosso país. Foi nela que Heloysa Blöem Mastrangioli, por exemplo, alavancou sua carreira. Nas páginas da Electron, há informações sobre a montagem de aparelhos, eventos da Rádio, biografias, roteiros de programas e fotografias. Vale à pena conferir o site. E ouvir as canções deste post, claro :-)

Neste post:

Leontina Kneese – Infantil (canção de Marcello Tupynambá e Correia Jr., Odeon 10114-B, fev.1928)
Leontina Kneese – Única (canção Marcello Tupynambá - Correia Jr. Odeon 10114-A, fev. 1928)
Lydia de Albuquerque Salgado - Ao amanhecer (canção de Alberto Nepomuceno Odeon 10205-B, 1928)
Lydia de Albuquerque Salgado - O trovador do sertão (canção de Francisco Braga, Odeon 10205-A, 1928)
Oscar Gonçalves - O pinhal (canção de Armando Percival Odeon 10401-A, jun./1929)
Oscar Gonçalves - Quando bate Ave-Maria (canção de Augusto Vasseur Odeon 10401-B jun. 1929)
Heloysa Bloem-Mastrangioli – Única (canção de Marcello Tupynambá Odeon 10423-A, jul/1929)
Heloysa Bloem-Mastrangioli – Só (canção de Marcello Tupynambá Odeon 10423-B, jul. 1929)
Edgard Arantes - Canção marinha (canção de Marcello Tupynambá - Mario de Andrade Brunswick 10021-A, fev/1930)
Annita Gonçalves - Naná (canção de Francisco Mignone "Chico Bororó", Parlophon 13.159-A, jun./1930)
Christina Maristany - El clavellito en tus lindos cabellos (Francisco Mignone, Columbia 8.144-B, 1935)










Em tempo: no site do Instituto Moreira Salles, há um grande número de gravações deste gênero, contando por intérpretes Abigail Aléssio Parecis, Alda Verona, Berenice Antunes Piergill, Cândido de Arruda Botelho, Celeste Leal Borges, Chermont de Brito, Eurístenes Pires, Francisco Pezzi, Jaime Redondo, Lais Areda, Léa Azeredo Silveira, Lucina Soeiro, Maria Emma, Maria Tereza Ferraz de Arruda, Nina Pickersgill, Roberto Vilmar, Ruth Caldeira de Moura, Santino Giannattasio, Sérgio da Rocha Miranda e Zulmira Miranda.

Um comentário:

Indalécio A. de Oliveira disse...

Olá Amigos;

Venho acompanhando o blog de vocês hpa algum tempo e pena, acredito estarem mergulhados em pesquisa, pois poucas foram as atualizações do blog em 2010, mas todas de excelente qualidade. Eu trabalho com restauração de rádios antigos e tenho, em meu blog, uma radio web que funciona 24 horas. Vocês poderão ouvi-la em http://officinadosradios.blogspot.com
O motivo do contato é que, de vez em sempre(hehehehe) eu produzo um programa chamado Vozes do Passado. Consegui reunir todas as gravações de Carmen Barbosa, mas muito pouco(quase nada) sobre a biografia dela...nem o motivo do desaparecimento em 1940 ou sobre a causa-mortis em 1942 da mesma. Como uma excelente cantora iria ficar 2 anos sem gravar por aquela época????
Se tiverem "algo a mais", por favor, enviem para: officinadoradio@gmail.com
Sempre dou os créditos a quem nos ajuda, ok?
Cordial Abraço e boas pesquisas....
Indalécio;