quinta-feira, 21 de maio de 2009

Elisa Coelho canta No Rancho Fundo

Atendendo a um pedido de nosso leitor Alexandre Montenegro, finalmente Elisa Coelho se faz presente no Chiadofone com uma gravação clássica: No rancho fundo, que vem acompanhada de Ciume de cabôca, a toada lançada no outro lado do disco Victor.


Partitura para piano (coleção do autor)

Alguém poderá dizer: e daí, qual a novidade? A música já saiu em LP e CD e está disponível no sítio do Instituto Moreira Salles.



A resposta: só aqui no Chiadofone a gravação foi publicada sem qualquer processo de filtragem ou eliminação de ruídos, de forma a evitar qualquer interferência na voz da artista.





A história de No rancho fundo começou a partir de outra canção, denominada "Na grota funda (Esse mulato vai ser meu)", criada por Ary Barroso com versos de J. Carlos, renomado caricaturista que na ocasião faria sua estréia no teatro de revista. "Na grota funda" foi lançada pela grande estrela Aracy Cortes aos 13 de junho de 1930 na revista "É do outro mundo", no palco do Theatro Recreio, RJ.



Diz a história que Lamartine Babo esteve na platéia de referida revista, não teria gostado da letra e criado a sua própria, lançando-a dias depois em seu programa "Horas Lamartinescas" na PRB-7, Radio Educadora do Rio de Janeiro. O sucesso inquestionável da nova composição teria causado o rompimento das relações entre J. Carlos e Ary Barroso. Levada ao disco pela gravadora Victor (disco 33444), lançado em agosto de 1931, e publicada pela Mangione (partitura E.M. 41), "No rancho fundo" também seria cantada no mesmo palco do Theatro Recreio pela cantora chilena Malena de Toledo, na revista "Miss Ester Lina", com estréia aos 09 de outubro de 1931.


coleção do autor

Fontes? Os biógrafos de Lamartine Babo e Aracy Cortes, respectivamente Suetônio Soares Valença e Roberto Ruiz. Aliás, peço licença para transcrever a letra de "Na grota funda" que Roberto Ruiz obteve diretamente do acervo de Aracy Cortes:

Na grota funda
na virada da montanha
só se conta uma façanha
do mulato da Raimunda
Matou a nega
com um pedaço de canela
e depois sem mais aquela
foi juntá c'uma galega
Ela morreu
na virada da montanha
vai havê outra façanha
esse mulato vai sê meu
Esse mulato
vai fazendo o que ele qué
já matou duas muié
porque bamba ele é de fato
Se não morreu
vou mansá esse cachorro
na virada ali do morro
esse mulato vai sê meu.

A letra não merece maiores comentários (e nem de longe reflete a genialidade de J. Carlos nas artes gráficas!), apenas um: e não é que a mesma dupla Ary-Lamartine criaria, em 1934, outro enorme sucesso com o tema do "Meu amor morreu na virada da montanha" presente em "Na grota funda"? Imaginemos a reação de J. Carlos ao ouvir "Na virada da montanha"... Ou não.


Notem o pequeno deslize da Victor ao registrar o nome de Elisa Coelho

Segundo Abel Cardoso Junior, o pianista foi Ary Barroso e Rogério Guimarães um dos violonistas. Quanto ao outro violonista, ficará a dúvida. O catálogo de matrizes da gravadora Victor é uma fonte inestimável, porém falha ao não especificar os instrumentistas e artistas envolvidos nos coros das gravações, regra raramente quebrada.


coleção do autor

Da análise dos registros de dezenas de outras matrizes da mesma época, e em particular da ficha técnica da música publicada no outro lado do disco (matriz 50308 - Ciumes de cabôca), gravada meses antes que No rancho fundo, verificamos a menção expressa à dupla de violonistas Rogerio Guimarães e Jacy (?).



A dupla se fez presente em outras matrizes:
- 65173 de 23.06.1931, disco 33452-A com "O cuco do meu relogio", solo de violão pelo Rogerio;
- 65185 e 65186 de 06.07.1931, disco 33472 com "Cantar" e "Tenho medo" por Castro Barbosa;
- 65193 de 11.07.1931, disco 33452-B com "Numa noite silenciosa", solo de violão pelo Rogerio.



O próximo pedido a ser atendido será o do leitor Jose Hudson: Jorge Veiga na década de 1940!

sábado, 2 de maio de 2009

Carmen Miranda - 1929-1930

Image Hosted by ImageShack.us


Carmen Miranda - Não vá s'imbora (Brunswick 10013A)
Carmen Miranda - Se o samba é moda (Brunswick 10013B)
Carmen Miranda - Triste jandaya (Victor 33249A)
Carmen Miranda - Dona Balbina (Victor 33249B)
Carmen Miranda com Josué Barros e Breno Ferreira – História de um capitão africano (Victor 33253B)
Carmen Miranda - Yáyá, yôyô (Victor 33259A)
Carmen Miranda - Burucuntum (Victor 33259B)
Carmen Miranda - Mamãe não quer... (Victor 33263A)
Carmen Miranda - P'ra você gostar de mim (Victor 33263B)
Carmen Miranda - O meu amor tem (Victor 33265A)
Carmen Miranda - Eu quero casar com você (Victor 33265B)
Carmen Miranda - Tenho um novo namorado/Espere que eu preciso me pintar (Victor 33285A)
Carmen Miranda - O nêgo no samba (Victor 33285B)
Carmen Miranda - Gostinho diferente (Victor 33287A)
Carmen Miranda - Neguinho (Victor 33287B)
Carmen Miranda - Será você? (Victor 33323A)
Carmen Miranda - De quem eu gosto (Victor 33323B)
Carmen Miranda - Miss sertão (Victor 33339A)
Carmen Miranda - A mulhé quando não qué (Victor 33339B)
Carmen Miranda - É com você que eu queria (Victor 33346A)
Carmen Miranda - Esta vida é muito engraçada (Victor 33346B)
Carmen Miranda - Si no me quieres mas (Victor 33351A)
Carmen Miranda - Muchachito de mi amor (Victor 33351B)
Plínio Ferraz e seus companheiros – Recepção a Carmen Miranda (Victor 33352A)
Plínio Ferraz e seus companheiros – Recepção a Carmen Miranda (Victor 33352B)
Carmen Miranda - Malandro (Victor 33371A)
Carmen Miranda - Cuidado, hein! (Victor 33371B)