quarta-feira, 21 de abril de 2010

Sr. Gastão Formenti e Miss Lucy Campos

Quando se fala em música brasileira dos anos 1920 e 1930, indispensável se faz o nome de Gastão Formenti. Pintor de renome e filho do artista Cesare Alessandro Formenti, tendo ambos deixado o nome e talento da família gravado em mosaicos e vitrais Brasil afora, foi também um dos pioneiros (1927) do rádio e da gravação elétrica de discos no Brasil. Paulista de Guaratinguetá (tal como os ilustres instrumentistas Dilermando Reis e Bomfiglio de Oliveira, este último presente no post com duas interessantes composições), cresceu na cidade de São Paulo, mudando-se para o Rio de Janeiro na adolescência.





Iniciou sua carreira na Radio Sociedade do Rio de Janeiro, sendo logo aclamado como grande cantor. Deixaria sua voz registrada em "temporadas" junto a praticamente todas as grandes gravadoras de sua época: Odeon (1927-1930, 1937-1938, 1940-1941) e sua subsidiária Parlophon (1928-1930), Brunswick (1930-1931), Columbia (1931 e 1939) e Victor (1931-1937), além de discos esparsos nas já citadas Parlophon (1931), Victor (1939), Odeon (1947) e RCA Victor (1952) e, em alta-fidelidade, fonogramas pela Sinter (1956) e RCA Victor (1959).




Nesta oportunidade destacamos todos os duetos de Formenti, que datam do período 1928-1934 e foram retirados da coleção completa dos discos 78 rpm do artista, pertencente ao meu acervo. Cantam com ele: Francisco Alves, Lucy Campos, Sylvio Caldas e Almirante.






Aliás, quando "Francisco Alves" e "dueto" se encontram numa mesma frase, é inevitável que o assunto seja a série de duetos com Mario Reis e, invariavelmente, é mencionado um dentre os vários mitos acerca do Rei da Voz, o de que ele foi "obrigado" a reduzir o volume de sua voz quando começou a gravar com Mario, em setembro de 1930 (disco Odeon 10715, matrizes nº3969 e nº3976, com "Deixa essa mulher chorar" e "Quá-Quá-Quá").






Apresentamos agora uma série de duetos dele com Gastão Formenti, todos cronologicamente anteriores àqueles com Mario Reis. A surpresa que torna relativo tal mito surge logo no primeiro fonograma: "Toada sertaneja" (matriz nº 1489), gravado imediatamente antes do maxixe "Não posso comer sem molho" (matriz nº 1491) e do vibrante samba amaxixado "Foram-se os malandros" (matriz nº 1496), mas lançado apenas após o carnaval de 1928. Ressalte-se que Mario Reis sequer havia gravado seu primeiro disco, o que aconteceria meses depois com o disco Odeon 10224, matrizes nº 1740 e 1741, com "Carinhos de vôvô" (sic) e "Que vale a nota sem o carinho da mulher". E, em setembro de 1929, é lançado o que considero como um "golpe de misericórdia": o dueto "Já me esqueci de você" (matriz nº 2806)... lançado exatamente um ano antes de ser gravado o primeiro disco da dupla Francisco Alves - Mario Reis.











Desta série de duetos, por mais inusitados que sejam aqueles com Almirante, artista já consolidado em 1934, e Sylvio Caldas, ainda no início de sua bem sucedida carreira, ambos os intérpretes dispensam maiores apresentações, da mesma forma que Francisco Alves. Agora, quanto à doce e completamente esquecida Lucy Campos, faço questão de a ela dedicar especial atenção neste artigo. Até porque os quatro discos que a cantora gravou são raros e, infelizmente, talvez sequer surja num futuro próximo (ou distante) outra oportunidade para que eu escreva sobre ela...






UMA NOVA CANTORA
A "Casa Edison" tem, agora, no seu elenco artistico, mais um elemento de real valor, cuja estréa se vem de verificar com todo o exito. Trata-se da senhorita Lucy Campos, que gravou ali a sua primeira chapa com o samba "Boquinha de Anjo", letra e musica de Luiz Nunes Sampaio, alcançando com elle uma vendagem inédita para uma estreante. Do outro lado da mesma chapa, que tem o numero 10.541 e pertence á marca "Odeon", Lucy Campos gravou outro samba, intitulado "Eu já te vi com alguem", de Edmundo Henriques. Francisco Alves também tomou parte na gravação do primeiro disco da sua nova collega, cantando pequenos trechos destinados a voz masculina."

(Revista O Malho nº 1426, de 11 de janeiro de 1930, página 41)






"MISS GLORIA" CANTORA DE DISCOS
A sta. Lucy Ramos, eleita "Miss Gloria" no ultimo concurso da "A Noite", é a mesma creatura que, sob o pseudonymo de Lucy Campos, canta para os discos "Odeon". Os leitores ficam sabendo disso desde já. E aquelles que não puderem contemplar a sua belleza physica, poderão, do mesmo modo, admirar a belleza de sua Voz, atravéz de excellentes discos já gravados. A sta. Lucy Ramos, agora mesmo, dias antes de obter o 4º logar na collocação para "Miss Rio de Janeiro", cantou com Gastão Formenti duas lindas canções de Eduardo Souto e Oswaldo Santiago, intituladas: "Scena Caipira" e "Frumiga Vremêia", pequenos duetos sertanejos. O disco que as contem apparecerá por esses dias.

(Revista O Malho nº 1444, de 17 de maio de 1930, página 48)






Infelizmente, as duas notas acima, transcritas conforme os originais, mais o disco com Formenti e as duas fotos, são tudo o que possuo sobre Lucy Campos. Quem sabe alguém também se encante pela artista, consiga buscar e trazer à tona novas informações? É o que espero ao compartilhar o pouquíssimo que tenho.





Lucy Campos e Francisco Alves com Orchestra Pan American – direcção: Simon Bountman
SE MEU AMOR ME VÊ... (samba de J. B. da Silva (Sinhô), Odeon 10564-B, fevereiro/1930
Fonograma do CD Revivendo RVCD-081 "SINHÔ - Volume 2 - Alivia estes olhos" (reequalizado pelo autor do artigo)



Último comentário: em entrevista a "O Malho", em maio de 1930, Gastão Formenti declararia ser a "Scena Caipira" uma de suas composições favoritas. Interessante reportagem, aliás, que ficará para um próximo post, já planejado, a ser ilustrado com mais de uma dezena de gravações de Formenti e outro tanto de diversos artistas dos fascinantes anos 1920 e 1930. Em breve!



01 - Cantado em dueto por Gastão Formenti e Fr. Alves / Orchestra Pan American do Casino Copacabana - NÃO POSSO COMER SEM MOLHO (maxixe de Bomfilho de Oliveira [Bomfiglio], Odeon 10133-A, lanç. fevereiro/1928) [nota: segundo encarte do CD Revivendo RVCD-199, elaborado por Antonio Figueiredo Junior, a letra é de autoria de Lamartine Babo]
02 - Cantado em dueto por Gastão Formenti e Fr. Alves / Orchestra Pan American do Casino Copacabana - FORAM-SE OS MALANDROS (samba de E. dos Santos (Donga), Odeon 10134-A, lanç. fevereiro/1928)
03 - Duetto: Alves e Formenti / Acomp. de 2 Violóes: Rogerio e Alves [Francisco Alves - Gastão Formenti - Rogerio Guimarães] - TOADA SERTANEJA (toada de Waldemar d'Oliveira, Odeon 10159-A, lanç. abril/1928)
04 - Gastão Formenti – Francisco Alves Com Piano e Violão - JÁ ME ESQUECI DE VOCÊ (samba-canção de Fr. Alves – Ary Brandão, Odeon 10468-A, lanç. setembro/1929)
05 - Lucy Campos e Gastão Formenti com Orchestra Pan American / Direcção: Simon Bountman - SCENA CAIPIRA (Toada a moda paulista, de Eduardo Souto – Oswaldo Santiago, Odeon 10622-A, lanç. junho/1930)
06 - Lucy Campos e Gastão Formenti acomp. da Orch. Rio Artists - FRUMIGA VREMÊIA (toada caipira de Eduardo Souto – Oswaldo Santiago, Odeon 10622-B, lanç. junho/1930)
07 - Gastão Formenti – Sylvio Caldas com Orchestra Brunswick - SAUDADE GAÚCHA (canção de Bomfiglio de Oliveira, Brunswick 10126-B, lanç. janeiro/1931)
08 - Almirante – Gastão Formenti com o Grupo do Canhôto - O BOIADEIRO (toada de Almirante – Luiz Peixoto, Victor 33781-A, grav. 23.03.1934, lanç. maio/1934)
09 - Almirante – Gastão Formenti com o Grupo do Canhôto - O GALLO (Toada de Augusto Vasseur – Luiz Peixoto, Victor 33781-B, grav. 23.03.1934, lanç. maio/1934)


Acervo e digitalização: Djalma

Um comentário:

Toque Musical disse...

Olá amigos de Chiadofone,
há no blog alguma maneira de se baixar os arquivos apresentados?
Eu imagino que não, mesmo assim, se vocês puderem entrar em contato comigo (toquelinkmusical@gmail.com), gostaria de uma ajuda... :)